Era uma vez uma menina de 16 anos, que resolveu criar um blog para desabafar... E que agora, aos 21, continua a escrever. De teen a adulta; de Portugal à Holanda - A saga!

20
Mai 06
Está tudo bem, tu estás bem. É o que repito a mim própria. Não sei se apenas uma ou duas vezes. Talvez o repita dezenas de vezes e nem dê por isso. Repito-o porque sei o que vai acontecer. Sinto-o a chegar, de mansinho. Não é uma pessoa. É algo que me persegue. É o pânico. É o medo não sei de quê. Ao que parece, nenhuma das minhas palavras me acalmam. Não vale a pena lutar contra o meu próprio psicológico. É inútil. Sinto o meu coração a bater cada vez mais forte. Tenho vontade de chorar mas controlo-me, não quero que as outras pessoas notem. Não quero que se preocupem nem que sintam pena. Quero apenas que não notem. Com o coração a bater cada vez mais forte, sei que chega a palidez. Fico calada, sossegada, à espera que passe. Mas tanto tempo calada e ainda mais branca do que o normal, as pessoas acabam por adivinhar o que se passa. Preocupam-se e perguntam-me se há algo que possam fazer. A vontade de chorar é cada vez maior, porque não há absolutamente NADA que possa ser feito por mim. NADA! Vou ser diferente de todos para o resto da minha vida e a minha única opção é resignar-me a isso mesmo. Sinto o estômago às voltas. Sei que não vou vomitar, porque nunca cheguei a isso. Mas o medo é mais forte e acabo por sair e tentar isolar-me. Saio do cinema e deixo o resto do pessoal a ver o filme. Felizmente não notam, a não ser a pessoa a quem peço para vir comigo. Gosto sempre de ter alguém comigo nestes momentos, porque tenho medo de morrer. Nunca fui tão sincera como estou a ser agora. Tenho muito medo de morrer. Cada vez que tenho um destes ataques, uma das primeiras coisas que me vêm à cabeça é tentar fazer algo para o meu coração deixar de bater tão depressa, porque tenho medo que pare de vez. Estou farta. Farta de não poder fazer nada nem ir a lado nenhum por causa disto. Farta de não ter uma vida normal. Farta de pensar que, no futuro, vou ser uma pessoa isolada do mundo, que apenas sai da cama por tomar 4 ou 5 anti-depressivos. Não quero isso para mim. Nunca me imaginei assim. Mas agora imagino e sei que não é impossível eu vir a ser dessa forma. Por vezes sinto que mais valia perder a lucidez de vez. Assim não reparava. Nem dava por eles. Outras vezes, tenho medo disso mesmo. De enlouquecer. Tenho medo de mim própria, sinto que não posso confiar em mim. Tenho medo de ser demasiado fraca para conseguir ultrapassar esta “fase” da minha vida.
publicado por Nana às 11:19

comentários:
cara, não sei nem o que falar..
eu lí tudo que você escreveu, eu sinto EXATAMENTE A MESMA coisa, eu sei que você deve estar lendo isso e pensando " essa menina ACHA que tá passando pelo que ue passei", mas não é..
eu sei o que você tah passando...você não tem idéia, e acho que sou pior que você por que eu vomito...toda manhã, TODA manhã antes de ir pra escola eu vomitava, ateh que depois de 1 mês minah mãe me trocou de escola..
tah eu queria muito falar ctg...muito mesmo..
quem sabe a gente possa se ajudar?]
marina1990sp@hotmail.com
me adiciona lá
beeeijos..
e ó..
eu te entendo muito bem!
marina a 31 de Maio de 2006 às 22:55

Cá vai, do que conheço do assunto: tens ataques de pânico, sim...mas esse não é o mal. O mal é o medo que tens deles. Aceita-os como tal....sabendo que eles passam...que vão passar. Essa é a melhor forma de viver o dia-a-dia. Para além disso, a unica forma que conheço de os ires superando é com a companhamento profissional: que te ajuda a controlá-los, que te ajuda a diminuir a sua intensidade e frequência....que te ajuda a acabar com eles. Mas sem excesso de pressão. Como em tudo, a unica maneira de vencer uma limitação é ACEITAR que a temos e não fugir dela. Beijinho Nanita.
falaparadentro a 22 de Maio de 2006 às 14:05

OLá Nanita,

confesso que te queria deixar umas palavrinhas. Mas não sei muito bem que se passa contigo. Será que esses ataques de pânico não tem cura??? será que com o passar do tempo eles não se irão diluir?? Será que não há umarazão para eles voltarem?? talvez estejas preocupada ou aborrecida com algo.
Há pouco tempo tive com um casal em que ele tinha esses ataques, ele também não os conseguia explicar.
:(
Espero que estejas bem :) e quero-te animada ;)

Beijinhossss
Pluma(princesavirtual) a 21 de Maio de 2006 às 20:24

O sindrome do panico têm cura e o tratamento começa por entender o que são os ataques de pânico! Apesar da sensação de medo total durante o ataque, não existe perigo! Muitas pessoas pensam que vão ter um ataque cardíaco ou outras coisas, o que não é o caso. Entender melhor o problema ajuda a explicar o medo e assim atenua o problema.

Oi!Deve ser aterrorizador...Não posso dizer que sei como te sentes,porque não sei,mas imagino que seja angustiante!Quando estiveres assim,fala sempre com alguém!Tenta respirar devagarinho...
E não digas que vais viver assim para o resto da vida,tenho a certeza que não vai ser assim!Não sei se tens psicólogo ou não,mas se não tens deves ir...Ele pode ajudar-te muito,mesmo sem ser através de anti-depressivos...existem outros métodos de certeza!
Espero sinceramente que deixe de acontecer!Beijinhos!
sis a 21 de Maio de 2006 às 19:44

Olá nina! ohh então, isso outra vez? ah já sei estavas com saudades, ou melhor o panico estava com saudades tuas e decidiu fazer-te uma visitinha, bom, deixa lá, agr ele não vai voltar tão depressa ;) (espermos nós) vá anima-te e não digas que nao vale a ena lutar, claro que vale, é claro k tb nao vai acabr assim dereepente nem vais mudar o teu psicologico da dia pro noite, essas coisas demoram o seu tmepo, só precisas de ter calma e ser percistente que vais conseguir, de certeza ;) vá, coragem!! bjinhos
snow a 21 de Maio de 2006 às 01:16

oies** só tu para teres medo do próprio medo...de certo sabes que esse é um dos maiores medos k há. Mas olha...não penses que vais ficar sempre assim...ou que vais precisar isolar-te do mundo e tomar montes de anti-depressivos por dia...porque tu és mais forte que isso tudo e vais conseguir não ser normal...porque já o és...mas sim conseguir por de lado esse pânico. Quanto ao chorar...podes aguentar a vontade de o fazer ao pé das outras pessoas...já que não keres k sintam pena de ti...mas á noite kd te fores deitar....xora tudinho o que tiveres a xorar...mm tudoooo...porque no dia seguinte vais acordar para um sol quentinho e uma manhã linda... e vais reparar que bem fundo lá numa caixinha dos problemas esquecidos vai tar essa tua fobia...e vais ver que tudo está bem...porque quem controla a tua vida és tu e não exa fobia parva que só merece é porrada...lol...=)
E já sabes...eu posso parecer distante na xcola (é a minha má maneira de ser..lol)...mas se precisares de um abraçinho...podes sempre pedir...já me dixeram que os meus abraços são mágicos...lololol...alguém um pouco maluko mas prontos...lol..;)
Jokinhas****
C.M.
Ktia a 20 de Maio de 2006 às 17:24

olá linda. Eu apercebi-me que ontem foste embora, mas não sabia a razão nem o porque, só depois soube que t tinhas sentido mal.
Não digas que vais ficar sempre assim, pois a força de vontade que reside dentro de ti é tão forte que um dia vais conseguir ultrapassar isso, eu acredito que sim e eu sei que tu também. Não é pelo facto de teres isso que és diferente, nós nunca te vamos tratar de maneira diferente, todos nós temos os nossos problemas, mas nunca vai ser por causa dixo que vais ser diferente. Porque nós adoramos-te da maneira que tu és, porque nós vamos tar sempre do teu lado nos bons e maus momentos, para te ouvir e se for preciso te ver chorar, porque a amizade é assim e porque tu és especial e eu adoro-te pela tua maneira de ser. Um dia vais ultrapassar isso, eu sei que sim, seja agora, seja num momento mais tarde mas vais, porque tu o queres e basta querer com todas as forças do universo para ter =). Nunca desistas e não deixes que ixo afecte o teu dia a dia, passa por cima e lembra-te que enquanto acordares de amanha e poderes abrir os olhos e lutar pela vida, tens a vida nas tuas mãos e o tudo o que fizeres vai depender de ti de mais ninguem, basta acreditar que o proximo dia vai ser melhor =D
Bjinhux desta amiga que te adoro Mt Mt Mt Mt*****
Su a 20 de Maio de 2006 às 12:53


Querida,

Digitei aleatoriamente na internet sobre crises de pânico, pois tenho tido muitas ultimamente e achei esse seu desabafo. Comecei a chorar só de ler os comentários. Nós sofremos muito com essa situação. Eu sei exatamente o que tens sentido. Tenho tido cerca de 2 crises por dia. Logicamente acabei me adoecendo...meu estômago está irritado e tenho que fazer uma endoscopia para ver se é só emocional. A primeira crise de pânico que eu tive estava com 10 anos. Hoje tenho 29 e passo por fases boas e outras bem ruins. Vou me casar este ano e estou construindo a minha casa (sou arquiteta). Fico imaginando se consigo isso tudo... se consigo ter filhos....será que darei conta sendo assim? E a pressão da sociedade agrava, mas o pior mesmo é a pressão que fazemos conosco.

Se algum dia eu descobrir alguma coisa que cura este mal, pode deixar que passo para você. Temos que nos ajudar... No mais, força e coragem para nós.

Agraços,

Bella (Brasil)
Bella a 19 de Janeiro de 2010 às 17:13

Está tudo bem, tu estás bem. É o que repito a mim própria. Não sei se apenas uma ou duas vezes. Talvez o repita dezenas de vezes e nem dê por isso. Repito-o porque sei o que vai acontecer. Sinto-o a chegar, de mansinho. Não é uma pessoa. É algo que me persegue. É o pânico. É o medo não sei de quê. Ao que parece, nenhuma das minhas palavras me acalmam. Não vale a pena lutar contra o meu próprio psicológico. É inútil. Sinto o meu coração a bater cada vez mais forte. Tenho vontade de chorar e vomitar mas controlo-me, não quero que as outras pessoas notem. Não quero que se preocupem nem que sintam pena. Quero apenas que não notem. Com o coração a bater cada vez mais forte, sei que chega a palidez. Fico calada, sossegada, à espera que passe. Mas tanto tempo calada e ainda mais branca do que o normal, as pessoas acabam por adivinhar o que se passa. Preocupam-se e perguntam-me se há algo que possam fazer. A vontade de desaparecer é cada vez maior, porque não há absolutamente NADA que possa ser feito por mim. NADA! Vou ser diferente de todos para o resto da minha vida e a minha única opção é resignar-me a isso mesmo. Sinto o estômago às voltas. Sinto que tenho vontade de vomitar. Mas o medo é mais forte e acabo por sair e tentar isolar-me. Tenho medo de mim própria , sinto que não posso confiar em mim. Por vezes sinto-me uma fraca por não ser capaz de controlar estas situações, que tento ultrapassar, mas que teimam em aparecer.
Tenho ataques de pânico, mas não é esse o meu maior medo, o mal é o medo que tenho de os ter. De não conseguir dormir de noite, quero deitar a cabeça na almofada e dormir descansada sem parar, de me sentir culpada por trair a minha filha, impondo-lhe uma pessoa (irmão/irmã) que não conhece e que eu também não. A melhor maneira de viver o dia-a-dia será mesmo Aceitar os ataques de pânico…e saber que irão passar. Sinto-me por vezes vitoriosa por já conseguir aceitar algumas situações, mas sempre com algumas restrições. Casar, ser Mãe, educar a minha filha, ajudou-me bastante a ser uma pessoa diferente.
Tudo isto começou tinha eu 12 anos, quando fui a uma excursão da catequese a Fátima, e no caminho de regresso, me fartei de vomitar no autocarro, a partir daí foi o descalabro total. Sempre que estava em situações de muito ajuntamento de pessoas, eu começava a sentir um calor / frio ao mesmo tempo as mãos frias o coração a querer saltar pela boca e vontade de vomitar, comecei por evitar sair com as minhas amigas, só com muita insistência o fazia, mas não podia comer, se não já sabia que vomitava, o meu ataque de pânico começou assim, cheguei a pesar 43Kg para 1.65m todos me diziam que estava muito magra o que se passava, até que conheci o António, eu gostava muito dele, e não o queria perder, sofria em silêncio, porque nunca tive ninguém com quem desabafar, pensava que por dizer o que sentia, poderia ser mal interpretada ou chamada de louca ou neurótica, por isso mantive o meu silêncio. E cada vez que acontecia, dizia que qualquer coisa que tinha comido me tinha caído mal, mas às vezes sabe DEUS. Ele foi sempre muito compreensivo e amigo, se fosse outro tipo de pessoa tinha me mandado passear, tal como agora não lhe consigo explicar o que se passa, nem descrever o que sinto. Gostava de ter outro Bébé para fazer companhia à minha filha Maria, mas não consigo descrever-lhe o que se passa.
Tenho lido muito na NET para conseguir encontrar uma solução para o meu problema, já vi alguns Blogs com depoimentos de pessoas que descrevem na precisão aquilo que sinto. Talvez seja esta a maneira que tenha para acalmar estes ataques que vão surgindo, parece que me sinto mais calma a escrever o que sinto, e a saber que existem pessoas como eu, que não sou nenhuma ET na Terra com o mesmo problema, cada dia que passa é um dia, peço à minha Santa, para que me deixe viver com tranquilidade, respiro fundo muitas vezes, para que entre em mim outra pessoa e me resolva este grande problema
Maria a 9 de Fevereiro de 2010 às 13:00

Maria e Bella,

é sempre triste saber de mais uma pessoa que sofre deste mal. Acima de tudo, penso que temos o dever de nos apoiar uns aos outros, porque só quem sofre de ataques de panico sabe como é.

Algum tempo depois de ter escrito este texto, e depois de ter consultado 2 psicólogos, acabei por escolher ir a um psiquiatra. Foi a melhor escolha que fiz na vida.

Hoje em dia já não tomo qualquer medicação e muito raramente tenho ataques de panico; que por sua vez não tem metade da intensidade que tinham antes.

As melhoras e muita força!

Beijinhos
Nana a 16 de Fevereiro de 2010 às 22:10

Obrigado pelo apoio, eu também tenho melhorado, hoje com 34 anos, já tenho uma vida estável dentro do possível, a minha filha e marido têm me dado muito apoio, e graças a eles a vida faz mais sentido. Gostáva sim de ter outro bébé, mas ainda não superei o medo, pois não é o facto de ter outro filho, é o espaço de tempo entre o fazer e saber se estou grávida que me deixa em pânico.
Espero que encontrem a felicidade e o bem estar mental, para poderem ter uma vida de qualidade. E viva a Vida!
maria a 18 de Fevereiro de 2010 às 11:16

Obrigada, Maria, e desejo o mesmo para ti!
Como disseste - e muito bem dito - viva a vida!

Beijinhos
Nana a 18 de Fevereiro de 2010 às 19:38

tenho o mesmo que tu e é horrivel não se conseguir fazer nada por causa do medo que é criado. eu quando tenho 1 ataque de panico tento sair o mais rapido possivel e acabo sempre por vomitar.
Pedro a 19 de Março de 2010 às 20:32

Olá Pedro,

Felizmente, a minha situação melhorou muitíssimo durante estes últimos anos, e agora é muito raro ter um ataque de pânico. Digo-te isto porque, na altura em que os meus começaram (ha sensivelmente 5 ou 6 anos), na net só haviam testemunhos de pessoas que nunca ultrapassavam a situação... o que me assustou mais ainda!

Força e vais ver que vais melhorar, como eu melhorei!
Se precisares de ajuda ou quiseres falar sobre o assunto, basta dizeres. É sempre mais facil falar com alguem que já passou por isso.

Bjs
Nana
Nana a 27 de Março de 2010 às 23:05

Olá,

Eu tenho 20 anos...tenho ataques de pânico há quase 5...
é horrível...consigo entender perfeitamente o que passas...
Ainda por cima, o meu medo vem do exercício...então, cada vez que me sinto mal no ginásio, ou em contexto de esforço...associo sempre a uma doença no coração...o que me deixa ainda mais em pânico..
como consigo compreender essa sensação que o coração está a bater descontrolado...e aquele medo...aquele panico de que ele possa parar...
Faço psicoterapia e normalmente antes de fazer exercício tomo um ansiolítico para diminuir os meus níveis de ansiedade...
Mas por vezes, do nada, parada, sozinha tenho essas sensações estranhas... que não entendo porquê...porque muitas vezes nem sequer me sinto ansiosa...
Ha alturas em que é raro sentir isto...mas outras em que todos os dias, e durante várias semanas isto acontece...

Estou solidária contigo...tal como tu, tenho medo de perder o controlo...não quero que os outros reparem neste problema, nem gosto...
As melhoras ;)

Beijo,
Patrícia
Patrícia a 8 de Junho de 2010 às 10:19

Obrigada, Patrícia!

As melhoras para ti tb! ;)
Nana a 8 de Junho de 2010 às 19:13

olá...
Chamo-me Carlos e tenho ataques de pânico há sensivelmente dez anos. É muito estranho e temo enlouquecer visto que é muito difícil ultrapassar e controlar o turbilhão de sentimentos e sensações que ocorrem durante o ataque.
Já fui acompanhado por um psiquiatra(que me encheu de calmantes e assim que os deixei de tomar os ataques voltaram). É muito estranho e fico devastado com as limitações que me são impostas por esses ataques. Os receios, os locais evitados. E posso exemplificar, não ando de autocarro sozinho, só durmo fora de casa se estiver com amigos mais chegados, não viajo, não vou aos jantares da faculdade e neste momento como vou tentar mudar de faculdade estou muito preocupado com a minha reacção a essa mudança, pois sendo um lugar novo, ficarei mais susceptível de sofrer ataques.
Já fui acompanhado por um psicólogo que me fez compreender muita coisa. No entanto na altura do ataque fica complicado controlar e pensar nisso.
Bem espero sinceramente que consigamos andar com as nossas vidas para frente e que tudo nos corra pelo melhor.
Aceitem um abraço do amigo Carlos
cecf a 29 de Julho de 2010 às 00:18

Olá Nana :)

Como estás? Espero que tudo a andar!*

Tal como outros que comentaram também eu vim aqui parar por ter procurado por "síndrome do pânico"...pensei que, como em outras alturas, encontrar testemunhos de pessoas que passaram pelo mesmo me ajudasse a relativizar este problema que também tenho...o síndrome do pânico :(

Por isso queria em primeiro lugar agradecer-te a ti Nana, e também aos que deixaram o testemunho antes de mim... Por me ajudarem a perceber que não estou sozinha com este problema... Acreditem que não fico contente por vocês terem o problema, não é isso... Apenas me sinto reconfortada ao perceber que não sou assim tão "anormal", que há pessoas que tal como eu já passaram por isto...e conseguiram, de uma forma ou de outra, melhorar :)

Eu não sei dizer exactamente quando começou o meu síndrome do pânico, mas penso que os primeiros sinais foram quando andava no 10º ou 11º ano...Neste momento tenho 23, e já acabei a faculdade! Entre os meus 15/16 e agora passei por diversas fases, umas muito piores que agora, outras melhores...Acontece que nos primeiros anos eu não sabia o que tinha (talvez só há um ano eu tenha conseguido nome para o problema!!), e pior que isso até ao 2º ou 3º ano de faculdade (!) não falei a ninguém do que tinha, do que sentia...das situações tão difíceis por que passava...

Enfim, queria também dizer-vos que percebo perfeitamente a forma como descrevem esse medo... O medo do medo...que não sabemos explicar porque o sentimos, que ao falarmos dele parece uma coisa que não faz sentido, mas que nas situações não conseguimos ignorar...aquele medo que nos faz sentir como ET's... Infelizmente tenho deixado demasiadas vezes que esse medo tome conta de mim, deixo de sair de casa, de fazer coisas que eu queria tanto fazer...por vezes acredito que se não tivesse isto seria outra pessoa! Fico tão triste quando isto acontece... :( E tão contente quando consigo ter um dia normal... O pior deste problema não são só as situações em que se sente o pânico, mas o começarmos a evitar as situações em que temos medo que aconteça "alguma coisa"...Mesmo quando queremos Muito Ir, Fazer, Estar...

Já fui a dois psicólogos, e não melhorei tanto como queria, talvez por sentir que não se interessaram muito pelo meu caso, senti que não tinham um "projecto" para mim...

Mas claro, não perdi a esperança! Sobretudo quando encontro exemplos como tu Nana, que conseguiram tornar esse medo pequenino :) Não sei se terei de procurar outro especialista, ou dar a volta sozinha, mas acredito que irei ficar melhor um dia destes...

Beijinhos Nana, ganhaste uma nova leitora do teu blog hoje!*
Ana G. a 30 de Agosto de 2010 às 21:24

Olha é muito difícil para as pessoas perceberem o que se passa tenho uma filha linda com 19 anos na mesma situação que tu,nós ficamos impotentes pois não a nada a fazer-mos a não ser tentar entender e apoiarmos no máximo que conseguirmos,ela já andou em psicólogos e psiquiatria,felizmente ainda não chegou aos medicamentos mas ultimamente os ataques tem piorado o que me tem deixado a beira de eu próprio entrar numa depressão mas isso era pior para mim e para ela,ainda por cima ela sofre de tiróide ao que pensávamos ser esse o problema dela mas depois de especialistas a terem visto veio a confirmação que sofre mesmo de ataques de pânico que nada tem a ver com tiróide,força linda muita força e vontade de venceres mesmo não sendo fácil pois um dia poderás não ter ninguém a teu lado e ai terás de ser tu a vencer esses medos,quanto a mim olha gostava de tentar entender um pouco mais os ataques para melhor ajudar a minha princesa,bjs e segue em frente sempre erguida para a vida
JOAO garcia a 17 de Novembro de 2011 às 09:37

Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
17
18
19

21
22
23
24
25
27

28
29
30
31


tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Se os virem... Avisem!
Eu, por acaso, gosto desta!
E quantos são? (desde 30.07.2008)
blogs SAPO