Era uma vez uma menina de 16 anos, que resolveu criar um blog para desabafar... E que agora, aos 21, continua a escrever. De teen a adulta; de Portugal à Holanda - A saga!

17
Out 05

Hoje apeteceu-me falar dos meus amigos.

Sim, dos meus amigos. Porque fui ao blog de uma amiga e ela, em quase todos os seus posts, fala dos amigos. E eu nada.

Então hoje apeteceu-me falar dessas pessoas, que me aturam já há uns aninhos. Não há muito para dizer, essa é que é a verdade, não sou boa para estas coisas.

Pensei escrever um texto com significado, mas sem grandes lamechices, até me aperceber da cruel verdade: não consigo.

Não consigo falar deles sem ficar lamechas. Sem recordar todos os bons (e mesmo os maus) momentos que passámos juntos. Recordar até o dia em que nos conhecemos.

São amigos recentes, mas são estes que sei que durarão para a vida toda. Não me perguntem porquê. Simplesmente sei.

Por tudo. Por nada. Pelas palavras e abraços trocados em dias felizes. Pelas palavras e abraços trocados em dia menos felizes. Pelos sorrisos. Pelas gargalhadas. Até mesmo pelas lágrimas, que caem por mais que as tentemos esconder.

Pelo apoio, pela companhia. Pelas canções cantadas em conjunto, pelo olhar certo na altura certa. Pelo nó na garganta que sinto quando penso que para o ano já não vamos poder estar todos juntos. Pela certeza que tenho que, apesar de não estarmos juntos, estaremos sempre uns para os outros. Pelas vezes em que a minha mãe me chamou maluca, por me estar a rir à gargalhada, devido à piada que algum deles me disse no messenger. Pelo afecto. Pelos olhos inchados de ter que estar na escola às 8:30. Pela frustração conjunta, sentida quando íamos para a escola às 8:30 e acabávamos por ter feriado. Pelas idas ao cinema. Pelas idas ao mesmo restaurante, que acabámos por enjoar. Pelas promessas de ir correr no Verão, que (pelo menos pela minha parte) nunca se realizaram. Pelas perseguições ao stor de química.

Por tudo o que cada um tem para ensinar. Por tudo o que cada um tem para aprender. Pelo apoio quando tubos de ensaio se partiam (curiosamente, sempre na minha mão!). Por muitos me terem dado uma primeira impressão errada, sendo que depois me surpreenderam pela positiva. Por expressões como o “tipo, ya!”, “mas o que é que eu fiz agora?”, “já vou na minha 98273821ª directa para estudar!”, “hoje o meu DIA foi lindo”, “tão queriiiiiiido!”, etc, que nunca sairão da minha cabeça. Pelas pijama parties.

Pela maneira como por vezes perdemos a paciência uns com os outros, mas passados uns minutos já está tudo bem. Pelos almoços no bar e no refeitório, onde algumas vezes se deram umas misturas ilícitas de pão-de-ló com sal e coisas do género. Pela maneira como é fácil perceber quando alguém está mal. Pela maneira como todos se juntam para animar essa pessoa. Pela amizade demonstrada todos os dias, nem que seja apenas por um olhar. Pela maneira como sabemos que podemos SEMPRE contar uns com os outros.

Por tudo isto. E muito mais. Só posso agradecer. Porque já recebi muitos emails, sempre a dizer que só se tem um ou dois amigos verdadeiros. Então eu sou uma sortuda. Porque tenho muito mais.

Obrigada a todos os meus amigos, vocês sabem quem são. Sintam-se todos abraçados. =)

Os que não são meus amigos também podem sentir-se abraçados.... Mas com menos vontade, tá?

Beijinhos a todos e OBRIGADA pela vossa amizade.

publicado por Nana às 18:44

Outubro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
14
15

16
18
19
22

23
25



subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO