Era uma vez uma menina de 16 anos, que resolveu criar um blog para desabafar... E que agora, aos 21, continua a escrever. De teen a adulta; de Portugal à Holanda - A saga!

19
Out 06
Ultimamente, visto que, como ainda não arranjei trabalho não tenho muito para fazer, tenho ido ajudar a tomar conta de miúdos do 1º ano, na escola onde eu própria fiz a primária e, por mera casualidade, a professora que estou a ajudar foi também minha professora.
É interessante verificar que, realmente, há coisas que nunca mudam.
O miúdos parece que acham piada ao facto de eu lá estar, cada vez que entro na escola vêm todos a correr abraçar-me (experimentem tentar andar com mais de 15 crianças agarradas às vossas pernas, é uma experiência única que pode acabar em desabamento) e a gritar o meu nome. Aliás, o meu nome e não só, que uma das miúdas embirrou que eu tenho que me chamar “Ana Susana”. Ao que parece, Susana é giro, mas Ana Susana é “super hiper mega ri-fixe”.

Claro que, quando estamos com crianças desta idade, acontecem ou ouvem-se sempre coisas das quais não podemos deixar de nos rir. Um dia destes, estavam eles a aprender a letra “A”. Uma das miúdas veio para junto de mim e, muito feliz, disse “Sabes, eu sei dizer uma frase com “A”!”. Eu lá lhe pedi para me dizer a frase. A frase era “AAAAHHHH, que menino lindo!”. Realmente, o “A” estava lá.

Descobri também que os miúdos de hoje em dia são muito liberais; dois deles até partilham uma namorada que, aparentemente, está agora a morar em Espanha (tal facto não impediu nenhum dos dois de arranjar uma outra namorada por cá; estar sozinho é que não!)

Eles são, sem dúvida, mas espertos do que nós, quando tínhamos a idade deles. Ainda ontem, no refeitório, uma miúda veio dizer-me que não queria mais massa. Eu disse-lhe que não, que ainda tinha muita massa no prato, que não podia ir-se embora sem comer pelo menos metade do que lá estava. Julgam que ela argumentou? Limitou-se a fazer o seu melhor sorriso e dizer “Vá lá Susaniiiiiiinha...”.

Enfim, eles são por vezes chatos, especialmente quando vêm com aquela história do “ele é que começou! Não, foi ela!” mas, para ser sincera, dá-me um gozo enorme estar lá com eles. É engraçado como, para eles, tudo o que nós “crescidos” fazemos está bem feito.

Por agora, tento esquecer que um deles me perguntou se eu tenho filhos. Sou velha, mas nem tanto. eheh.

Beijinhos a todos.
publicado por Nana às 16:58

01
Out 06
Porque nem tudo é como nós queremos
E por muito que se aprenda temos
Sempre algo novo a aprender.
A mais simples ideia de crescer
De nada ou pouco mais serviria
Sem a própria fantasia
De uma vida de esplendor
Tentar vivê-la sem dor
Não seria justo socialmente
Porque quem não sofre mente
E quem mente... Não tem valor.
Assim, há que olhar em frente
E explicar a toda a gente
Que melhor que crescer falsamente
É o enfrentar o terror de frente
E crescer.
publicado por Nana às 19:33

Outubro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO